REUNIÃO CONJUNTA ENTRE GRH E GEST DO SINDIMETAL/PR DEBATEM A QUARTA REVOLUÇÃO INDUSTRIAL – INDÚSTRIA 4.0

Desde a invenção da máquina a vapor, no século 17, inúmeras foram as transformações sofridas pela indústria. De lá para cá surgiu a eletricidade, a produção em massa, os primeiros computadores, e iniciou-se a automatização de processos. Atualmente, estamos acompanhando uma nova expansão tecnológica, a partir da criação de sistemas que conectam tecnologias diversas, inovações em robótica, inteligência artificial e a chegada da internet das coisas (Internet of Things – IoT), também, ao segmento industrial. Essa nova transformação chama-se Indústria 4.0.
Esses conceitos já chegaram ao Brasil e estão levando várias empresas a adaptarem sua cultura organizacional, abrindo espaço para novos modelos de negócios a partir do uso dessas novas tecnologias e, com isso, aumentando a produtividade e competitividade nos negócios.
Diante de tanta inovação, será que setores-chave das empresas, como os RHs e os responsáveis por processos de saúde e segurança no trabalho, estão acompanhando os avanços tecnológicos?
Pensando nisso o SINDIMETAL/PR convidou três especialistas para abordarem os seguintes temas: “A Quarta Revolução Industrial e o impacto na gestão de pessoas e Saúde e Segurança do Trabalho (SST)”, “Soluções que protegem braços, costas e ombros dos operadores em suas atividades repetitivas e de esforço” e “Humanização dos treinamentos por meio da realidade virtual”.
O encontro aconteceu no dia 22 de maio, na sede da entidade, durante a reunião conjunta do Grupo de Recursos Humanos e do Grupo de Estudos em Segurança do trabalho do SINDIMETAL/PR.
O primeiro palestrante a se apresentar foi o mestre em psicologia, especialista em psicologia organizacional e do trabalho, sócio da empresa Cuidado Ativo, Luciano Nadolny. Em sua apresentação, Naldony comentou sobre a confiabilidade das informações conectadas para tomada de decisões e sobre a nova geração de trabalhadores conectados que surgem no mercado de trabalho. Naldony tratou, ainda, sobre os paradigmas da nova revolução industrial em andamento, as novas maneiras de fazer gestão na era tecnológica e como os profissionais de RH devem se adequar às mudanças tecnológicas.
“Estamos migrando para um novo modelo de negócio, que ainda não sabemos bem qual será, mas é certo que todos irão ganhar com isso. Nós precisamos mudar, o RH não pode continuar seguindo os mesmos modelos de negócios. O profissional brasileiro é muito reativo às novidades e faz pouca gestão. Peter Drucker, um dos grandes gurus da administração, tem a seguinte frase: ‘o conhecimento e a informação são os recursos estratégicos para o desenvolvimento de qualquer país’. E quem tem esse poder são as pessoas. Portanto, não podemos ficar para trás”, comenta.

Novas Tecnologias na prática
Para ilustrar as transformações que chegam com a nova revolução industrial, as duas palestras seguintes expuseram tecnologias e mecanismos que podem auxiliar as empresas no quesito saúde e segurança no trabalho.
A segunda apresentação da manhã foi ministrada pelo diretor de tecnologia da empresa Exy Empowering People, Marcos Raymundo Loest. O especialista apresentou aos presentes um exoesqueleto utilizado para atividades industriais, explicando suas funcionalidades e como trazer essa nova ferramenta para as empresas.
Segundo Marcos, o exoesqueleto é um equipamento voltado à proteção dos membros superiores, uma ferramenta que auxilia o colaborador na sustentação dos braços para suportar movimentos de sustentação sucessivos, de maneira que o trabalhador consiga operar tanto em operações estáticas quanto em operações de levantamento de peso.
“Isso não significa que estamos substituindo pessoas por máquinas, e sim fazendo com que as duas partes trabalhem bem em conjunto, para que os colaboradores terminem a sua jornada de trabalho menos fatigados, com menor nível de desgaste, e menos risco de lesão. O objetivo desse equipamento é melhorar a qualidade de vida desse trabalhador, fazendo com que ele se recupere e, no outro dia, esteja em total condição para executar o seu trabalho sem dores musculares e sem gerar desgaste e micro lesões que o impossibilitem de realizar o trabalho”, declara.
A última apresentação do dia tratou da humanização dos treinamentos por meio do uso de realidade virtual e foi ministrada pelo diretor comercial e operações da empresa BeeNoculus, Rafael Minosso Minotti.
De acordo com o especialista, a realidade virtual aumentada na indústria permite que informações necessárias à execução do trabalho com segurança sejam disponibilizadas por meio virtual, auxiliando na recepção das instruções de forma clara, eficiente e segura.
Com a utilização da realidade virtual é possível, ainda, efetuar treinamentos, por meio de simulações, de forma muito mais interativa e dinâmica, envolvendo os trabalhadores e tornando o aprendizado mais interessante, o que reflete em melhores resultados.
“Reproduzimos a linha de produção e promovemos um exercício de repetitividade. Os dados do processo produtivo passarão por análises e serão compilados proporcionando às empresas tomar decisões com mais assertividade”, finaliza.

Participaram do evento representantes das empresas associadas ao SINDIMETAL/PR